• comercioenoticias

TRIBUNAL DE CONTAS DÁ LUZ VERDE ÀS DRAGAGENS DA LAGOA DE ÓBIDOS


O contrato para as tão esperadas dragagens da Lagoa de Óbidos já têm visto do tribunal de contas e estima-se a consignação da obra até ao final do mês.

Uma “excelente notícia, que só peca por tardia!”, comenta o presidente da câmara municipal das Caldas da Rainha, Tinta Ferreira. Segundo o autarca, a problemáticas e os desafios em torno da Lagoa de Óbidos exigem a maior atenção por parte da tutela. “Estamos perante um ecossistema e um património natural muito relevantes mas muito sensíveis e frágeis”, alertou o autarca.

Esta operação de dragagem pretende combater o assoreamento que periodicamente fecha o canal de ligação ao mar, pondo em causa a subsistência dos bivalves e atividade económica de cerca de uma centena de pescadores e mariscadores.

Entre os trabalhos está a dragagem de 875 mil metros cúbicos de areia dos canais e bacias da Lagoa e a sua deposição no mar “para sul, a partir da arriba do Gronho”, explica nota da Agência Portuguesa do Ambiente, a entidade responsável pela empreitada.


PUB.


A intervenção irá contemplar também a valorização ambiental de cerca de 78 hectares a montante da foz do rio Real, com a erradicação de vegetação infestante e plantação de espécies vegetais autóctones.

O prazo de execução dos trabalhos é de 18 meses, sendo que as dragagens devem ficar concluídas dentro de um ano, a contar da data de consignação da empreitada.

A intervenção, custa cerca de 15 milhões de euros, financiados em 85% pelo POSEUR (Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos) e em 15% e pelo Fundo Ambiental.


PUB.


146 visualizações0 comentário

press to zoom

press to zoom

press to zoom

press to zoom
1/8

press to zoom

press to zoom

press to zoom

press to zoom
1/9

press to zoom

press to zoom

press to zoom

press to zoom
1/7
Lino Martins - site