Periodicidade: Diária

11/28/2022

  • comercioenoticias

RIO MAIOR E O BANCO RAPOSO DE MAGALHÃES


Em maio de 1929, José Emílio Raposo de Magalhães (1883-1974), importante, dinâmico e visionário lavrador alcobacense, comprou a casa bancária A. Couto e Silva, situada na vila.

O novo proprietário entrou, assim, no mundo da banca e começou a alargar os seus negócios aos setores alimentares e da indústria vidreira. A casa bancária Raposo de Magalhães tinha um capital social de 200 contos e sede em Alcobaça.

Magalhães, em dezembro de 1934, trespassou a casa bancária caldense Carlos Saudade e Silva; em 1937, adquiriu a José Machado e Companhia, de Torres Vedras e, logo depois, a M. A. Martins Pereira, das Caldas da Rainha. Mais tarde, em 1942, nasce o Banco Raposo de Magalhães, com sede e agência em Alcobaça e filiais em Leiria e no Bombarral., Caldas da Rainha e Marinha Grande. Passou a ter um capital social de 5.000 contos, distribuídos por ações de 500 escudos.

Naquele tempo, há quase sessenta anos, havia uma grande proximidade entre os bancos mais pequenos e os seus clientes, sendo essa “uma marca de água” do B.R.M. A crise económica provocada pela Segunda Guerra Mundial trouxe dificuldades à instituição e, por isso, teve de receber auxílio do Banco Nacional Ultramarino, através de uma operação de redesconto.

O Banco, depois, passa a ter, também, operações de câmbios. Em 1955, o capital social aumentou para 20.000 contos e, em 1960, para 40.000 contos. Nesse ano, é inaugurada a agência de Vila Nova de Ourém e, em 1964, a de Rio Maior.

Começou, então a integração dos pequenos bancos nas instituições bancárias de maior dimensão.


PUB.


O Banco Raposo de Magalhães acabou, em 1965, ao ser adquirido pelo Banco Português do Atlântico.

José Emílio, como escrevi anteriormente, era um industrial do setor do vidro e um dos proprietários da Crisal. A sua opção foi vender o Banco para desenvolver essa atividade. Foi, pois, uma opção estratégica. A documentação do B.R.M. e, consequentemente, da agência de Rio Maior, encontra-se, como é de lei, no arquivo do Banco de Portugal.

Existe um estudo muito interessante sobre esta instituição bancária da autoria de Alda Mourão, professora do Instituto Politécnico de Leiria.

Nota final – a extinta instituição bancária alcobacense teve um papel importante na dinamização dos setores comercial, industrial e agrícola da Região Oeste. O mesmo aconteceu no concelho de Rio Maior, no curto espaço de tempo, em que cá funcionou. O Banco Raposo de Magalhães é, hoje, uma memória, apenas, dos mais velhos.

Por João Maurício


PUB.


244 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

press to zoom

press to zoom

press to zoom

press to zoom
1/5

press to zoom
Lino Martins - site
Lino Martins - site

press to zoom

press to zoom

press to zoom
1/8

press to zoom

press to zoom

press to zoom

press to zoom
1/7

onde comer

press to zoom

press to zoom

press to zoom

press to zoom
1/9
telefonesuteis.jpg

press to zoom

press to zoom

press to zoom

press to zoom
1/9

press to zoom

press to zoom

press to zoom

press to zoom
1/9
bannered.png
314012987_493269782858541_8091892627052110800_n.jpg
Gina Morais.png
RIOGRAFICA.jpg