• comercioenoticias

PESSOAL AUXILIAR E DOCENTE ESCLARECIDO SOBRE PLANO DE CONTINGÊNCIA ESCOLAR NO CADAVAL


O Município do Cadaval, em articulação com o Agrupamento de Escolas, promoveu, na passada sexta-feira, 11 de setembro, no pavilhão gimnodesportivo municipal, um encontro com pessoal auxiliar e algum pessoal docente do concelho.

Na reunião esteve representada a Unidade de Saúde Pública da ACES Oeste Sul, que alertou os presentes para a importância dos planos de contingência neste regresso do ano escolar em época de pandemia.

Coube a Paulo Henriques, diretor do Agrupamento de Escolas do Cadaval, dar o “tiro de partida” neste início formal do ano letivo, tendo defendido a importância da união entre os profissionais da educação. Na plateia, constaram, essencialmente, assistentes operacionais da Educação, mas também alguns professores locais.

O encontro contou com a presença e participação de duas técnicas e um médico da Unidade de Saúde Pública do ACES Oeste Sul, para além da vice-presidente da Câmara, Fátima Paz, entre técnicos municipais e direção do Agrupamento.

Rodrigo Marques, médico de Saúde Pública, transmitiu confiança aos profissionais de educação. «Não podemos ficar assustados. Temos de estar confiantes de que estamos a fazer o melhor possível para protegermos as nossas crianças, e para nos protegermos a nós e às nossas famílias», notou.

“Proteção” é mesmo a palavra de ordem, para o porta-voz da autoridade de saúde. «Temos de partir do princípio que qualquer pessoa pode estar infetada», realçou.

«Todos terão de conhecer o plano de contingência porque ele contém as regras básicas para podermos prevenir a Covid-19 e para prevenir que haja transmissão dentro do agrupamento de escolas», declarou o médico.

Segundo Rodrigo Marques, o Plano de Contingência contém os passos a executar no caso de ocorrer uma situação de Covid-19 na escola. Para o responsável, o plano deve ser de fácil assimilação por quem tenha de o cumprir. E tratando-se de um instrumento de trabalho, é muito importante, adianta o profissional de saúde, que o plano de contingência seja interiorizado por todos, mas também discutido e alterado sempre que for necessário.


PUB.


O representante defendeu ainda que aspetos tais como o carinho, a dedicação, a proximidade ou o afeto sejam para continuar em escolas e jardins, em especial em relação às crianças. Isto não obstante as regras de proteção e segurança sobejamente conhecidas.

Para Rodrigo Marques, torna-se essencial permitir que, mesmo em contexto pandémico, a criança brinque e interaja, pois só assim poderá adquirir competências sociais.

O profissional da Unidade de Saúde Pública reforçou a necessidade de «não ter medo», quando ocorrer o primeiro caso suspeito de Covid-19 no agrupamento de escolas.

Lembrou os sintomas mais comuns identificados na infeção por SARS-CoV-2, a saber: febre, tosse, nariz a pingar, dor de garganta (ou pico na garganta), diarreia, vómitos, vontade de vomitar, dores no corpo, dores nas articulações, diminuição do olfato e diminuição do paladar.

Rodrigo Marques recordou, ainda, que a linha SNS24 é o balcão de atendimento dos serviços de saúde no País. «Qualquer criança que tenha sintomas em casa é para ficar em casa, devendo os pais ligar a linha SNS24», afirmou. «Um pai que tenha uma criança com febre em casa, ao ligar, terá, do outro lado, um profissional de saúde que lhe irá dizer o que deve fazer para aliviar os sintomas. Em segundo lugar, vai dizer-lhe se faz sentido que aquilo sejam sintomas Covid-19 ou não, e se for um caso suspeito da doença, vai introduzir os dados daquela criança numa plataforma», observou. «Nós, que estamos nos centros de saúde, temos acesso a esses dados, de maneira a podermos passar uma baixa, encaminhar aquela criança para ser vista por um médico, pedir um teste Covid-19 ou até encaminhar para o hospital», referiu.

Se, pelo contrário, os sintomas ocorrerem na escola, a criança deve ser colocada na área de isolamento (acompanhada, se necessário). Havendo autorização parental, pode a escola contactar diretamente a linha SNS24. «Se os pais não contactarem a linha, ou houver dúvidas de que o tenham feito, a escola deverá contactar a autoridade de saúde através da pessoa responsável», adiantou o porta-voz.

Durante o período de colocação de questões, e quando se abordava a necessidade de limpeza e desinfeção regular do meio escolar, Fátima Paz, vice-presidente camarária, avançou que a Câmara estaria, entre os dias 14 e 17 do corrente mês, a efetuar uma ação de desinfeção das caixas de areia dos espaços de recreio escolar.

No final, a também vereadora da Educação, deixou uma mensagem motivadora, para auxiliares e docentes presentes. «Estamos convosco, sempre presentes dia-a-dia, 24 horas por dia, e vocês, que já nos conhecem, sabem que é assim. Não tenham receio, temos de enfrentar a realidade. Não podemos dar as mãos, não podemos estar próximos, mas todos, em conjunto, temos de ter muita força e remar todos no mesmo sentido. Nós estamos cá para vos apoiar, porque só assim vamos conseguir chegar a bom porto», frisou a edil.

«Quero aqui fazer um público agradecimento a todas vós porque, efetivamente, vocês têm sido exemplares, de um empenho fantástico, organização e dedicação», acrescentou a vice-presidente, dirigindo-se em particular às assistentes operacionais e destacando a importância do trabalho em equipa.

Fátima Paz informou ainda, os presentes, da distribuição de Equipamentos de Proteção Individual por parte da autarquia a partir de dia 14 do corrente, e deixou, em nome da Câmara, um conjunto de máscaras reutilizáveis (laváveis até 25 vezes) a cada profissional de educação presente.


PUB.


161 visualizações

1/9

1/10

1/6

1/8

onde comer

1/5

Periodicidade: Diária

10/1/2020

coronavirus.jpg
bannered.png

©2020 por Comércio & Notícias