Periodicidade: Diária

6/30/2022

  • comercioenoticias

BOMBEIROS DE RIO MAIOR – HÁ 129 ANOS A AJUDAR A ESCREVER A HISTÓRIA DE RIO MAIOR


A Associação Humanitária de Bombeiros Voluntários de Rio Maior (AHBVRM), presidida por António Quevedo, assinalou na última quarta-feira, 8 de dezembro, o seu 129.º aniversário.

A Direção e Comando do Corpo de Bombeiros preencheram a manhã com o Hastear da Bandeira, o Café do Bombeiro e uma romagem ao cemitério em homenagem aos bombeiros, sócios e amigos falecidos, tendo sido depostas coroas de flores no talhão onde repousam os restos mortais daqueles que em tempos deram parte da sua vida a esta nobre instituição.

Pelas 15h00 a Praça da República, em frente à Câmara Municipal, recebeu as cerimónias de Juramento de Bandeira, Promoção a Bombeiros de 3.ª e Promoções na Carreira de Bombeiro, conduzidas pelos Adjunto de Comando, Samuel Dias, seguindo-se as Distinções Honoríficas da Associação Humanitária de Bombeiros Voluntários de Rio Maior e da Liga de Bombeiros Portugueses, seguindo-se uma belíssima atuação da Fanfarra dos Bombeiros Voluntários de Rio Maior.

Nas Distinções Honoríficas da AHBVRM e da Liga de Bombeiros Portugueses receberam a Medalha de Grau Cobre, por 5 anos de Assiduidade e Bons e Efetivos Serviços Prestados à Causa dos Bombeiros Portugueses e de 5 anos de serviço no Quadro Ativo da AHBVRM os seguintes elementos: André Inácio, Rui Matias e Nelson Comenda.

Por sua vez os bombeiros Samuel Dias, João Cardoso, Tânia Duarte, Sérgio Matias, Ruben Carvalho e Paulo Cordeiro foram condecorados com a Medalha de Grau Prata, por 10 anos de Assiduidade e Bons e Efetivos Serviços Prestados à Causa dos Bombeiros Portugueses e de 10 anos de serviço no Quadro Ativo da AHBVRM.

Distinguidos com a Medalha de Grau Prata, por 15 anos de Assiduidade e Bons e Efetivos Serviços Prestados à Causa dos Bombeiros Portugueses e de 15 anos de serviço no Quadro Ativo da AHBVRM, os bombeiros Liliana Lopes, Fábio Dias e Luís Sabino.

For fim foram condecorados pela Liga dos Bombeiros Portugueses, com a Medalha de Dedicação de Grau Ouro – 3 estrelas, em virtude de 25 anos de Assiduidade e Bons e Efetivos Serviços Prestados à Causa dos Bombeiros Portugueses os bombeiros Luís Coelho, Célia Peralta Pereira, Luís Dias, José Sabino e António Batista.


PUB.


As celebrações prosseguiram no Cineteatro, onde decorreu a sessão solene comemorativa do 129.º aniversário da Associação Humanitária de Bombeiros Voluntários de Rio Maior, cerimónia que teve início com o Hino da Liga dos Bombeiros Portugueses, seguindo-se a condecoração aos órgãos sociais da Associação.

O Secretário da Direção Paulo Santos foi condecorado com a Medalha de Grau Cobre, em virtude de 5 anos de Assiduidade e de Bons e Efetivos Serviços.

Com a Medalha de Grau Prata, em virtude de 10 anos de Assiduidade e de Bons e Efetivos Serviços foram condecorados a Vice-Presidente da Direção Débora Bastos, o Vice-Presidente do Conselho Fiscal Rui Santos, e o Vogal da Direção Paulo Costa.

Por sua vez com a Medalha de Grau Ouro, em virtude de 20 anos de Assiduidade e de Bons e Efetivos Serviços foram condecorados o Presidente do Conselho Fiscal José Luciano Anes e o Secretário da Assembleia Geral Francisco Colaço.

Nesta cerimónia destacaram-se as presenças do Presidente da Câmara Municipal de Rio Maior, Filipe Santana Dias, da Presidente da Assembleia Geral da AHBVRM, Isaura Morais, do representante da Liga dos Bombeiros Portugueses, Comandante Adelino Gomes, do Comandante Distrital da ANEPC, David Lobato, do Presidente da Direção da AHBVRM, António Quevedo, do Presidente do Conselho Fiscal da AHBVRM, José Luciano Anes, e do Comandante do Corpo de Bombeiros Voluntários de Rio Maior, Paulo Cardoso.

Após o discurso da Presidente da Assembleia Geral, Isaura Morais, seguiram as Distinções Honoríficas a Eduardo Casimiro Pereira da Silva, ao representante do Grupo Parapedra Manuel Pinheiro e ao Agrupamento 403 – Rio Maior do Corpo Nacional de Escutas.

Seguiu-se a intervenção do Comandante da corporação Paulo Cardoso, “as minhas primeiras palavras são obrigatoriamente direcionadas para o passado. Passado esse que nos honra, que nos guia, e que nos orgulha. Cento e vinte e nove anos de história, onde a solidariedade, a fraternidade e o amor ao próximo estiveram sempre na linha da frente. Não é fácil transmitir nestas palavras tudo aquilo que esta Associação e o seu Corpo de Bombeiros significam para mim e para todos nós”, realçou.

Seguidamente Paulo Cardoso dirigiu-se aos bombeiros: “Estou convencido que, a par do trabalho de emergência que os bombeiros desenvolvem diariamente, com um valor intrinsecamente profundo, a dimensão pedagógica faz também parte da sua identidade”, salientando que “a sua vida deve ser um modelo para muitos acolherem e se sintonizarem com essa referência. Daí que os jovens riomaiorenses devam olhar para estas mulheres e homens bombeiros e sentirem orgulho, reconhecerem que eles são um exemplo de vida e de cidadania a seguir”.

Paulo Cardoso salientou ainda que “são estas mulheres e homens que demonstraram durante o presente ano, a total disponibilidade, e o espírito de sacrifício necessário para desempenharem de forma disciplinada, abnegada, correta e profissional, diria mesmo brilhante, a missão que lhes está confiada pelo Estado Português, quantas vezes com prejuízos pessoais e familiares deixando para trás a família, os amigos, e o merecido lazer a que o Verão convida”.

Prosseguindo a sua intervenção Paulo Cardoso dirigiu palavras ao Presidente da Câmara: “A si, e à população do Concelho, quero assumir o compromisso, de em conjunto com este Corpo Ativo, continuarmos a pugnar pela segurança coletiva deste maravilhoso Concelho, que é Rio Maior”.

O Comandante da corporação de bombeiros riomaiorense referiu ainda suspeitar que “é difícil amar um bombeiro, seja este amor de uma esposa ou marido, de um namorado ou companheira, de um filho ou de um pai, de um irmão ou um amigo, porque ser bombeiro é sair sem olhar para trás. É ouvir a sirene e esquecer as idas à praia, os almoços de domingo, os fins de semana fora, as saídas à noite, os convívios e os compromissos. Paulo Cardoso disse ainda que “ser bombeiro é ir sem pensar nos que ficam, mas ainda assim levá-los no coração. Mesmo que não o digam nem o demonstrem, nunca é fácil ser-se ausente. Ser bombeiro é regressar a casa, esse regresso tão ansiado por vós, mesmo que este não traga paciência e atenção, mas sim cansaço e necessidade de sossego, descanso e compreensão”.

A finalizar a sua intervenção, Paulo Cardoso recordou que “na madrugada do passado dia 6 de dezembro, mais exatamente à 01h24, foi este Corpo de Bombeiros mobilizado para um incêndio estrutural na localidade de Azinheira, freguesia e Concelho de Rio Maior. Este alerta nada nos diz de muito especial. Mais um incêndio, mais um empenhamento … mais o cumprir da missão que nos está atribuída. Mas não … Não foi assim … Não seria uma luta somente com o fogo. Foi uma intervenção diferente de todas as outras em que já tive oportunidade de participar. Uma unidade de cuidados continuados, onde a esmagadora maioria dos utentes são idosos com elevada dependência”.

Prosseguindo, o Comandante referiu que “os corredores e quartos estavam enfumados, sendo impossível a inalação de ar respirável naquela atmosfera nociva e visibilidade quase que nula, estando 44 idosos em risco iminente e a necessitarem de ser rapidamente evacuados. Manda a marcha geral das operações – salvamento destes utentes! Não havia oportunidades para dúvidas ou demoras. O esforço dos bombeiros, dos colaboradores e proprietários da instituição, dos operacionais da Guarda Nacional Republicana, da equipa VMER do Hospital de Santarém, e do cidadão Luís Filipe Santana Dias, que fizeram tudo o que podiam, para chegar a um resultado final feliz, para que os 44 utentes evacuados, não necessitassem de cuidados pré-hospitalar além da monitorização e triagem feita a todos os utentes da instituição”.

Perante o relato dessa ocorrência o Comandante Paulo Cardoso atribuiu um louvor ao Cabo Fernando Dias e o soldado Francisco Almeida da Guarda Nacional Republicana, pelas suas características humanas, a determinação, o forte espirito de missão e altruísmo, que demonstraram nesta operação de socorro, aos Bombeiros de 2º Ademar Cintrão e Pedro Marques do CBV Pernes, ao Bombeiro de 2ª Alberto Neves e ao Bombeiro de 3ª João Menezes do CBV Santarém, aos Bombeiros de 3ª Diogo Marques e Emanuel Barbosa do CBV Alcoentre, à Bombeira de 2ª Sónia Henriques e ao Bombeiro de 3ª José Camacho do CBV Caldas da Rainha, ao Bombeiro de 2ª João Montês e ao Bombeiro de 3ª Tiago Pina do CBV Alcanede, pelas suas características humanas, a determinação, o forte espirito de missão e altruísmo, que demonstraram nesta operação de socorro.

Paulo Cardoso louvou ainda o 2º Comandante Luís Coelho e o Adjunto Samuel Dias, a Chefe Célia Pereira, os Subchefes Claúdio Matias e Miguel Batista, o Bombeiro de 1ª Luís Leitão, os Bombeiros de 2ª José Marta, Danilo Lemos, Tânia Duarte, João Cardoso, Tiago Flores e Ruben Carvalho, os Bombeiros de 3ª Joel Silva, Daniela Marta, Élia Carvalho, João Marta, André Inácio, Jorge Figueiredo e Margarida Bernardes do Corpo de Bombeiros Voluntários de Rio Maior, pelas suas características humanas, a determinação, o forte espirito de missão e altruísmo, que demonstraram nesta operação de socorro.

Igual louvor recebeu o médico Sérgio Eufrásio e o enfermeiro Luís Duarte da VMER do Hospital Distrital de Santarém, pelas suas características humanas, a determinação, o forte espírito de missão e altruísmo, que demonstraram nesta operação de socorro, chamando ao palco o 1º Sargento Fernandes da GNR de Rio Maior, o 2.º Comandante Luís Coelho, a Chefe Célia Pereira, o Comandante dos Bombeiros Voluntários de Alcanede Filipe Regueira e o Dr. Sérgio Eufrásio da VMER, para neles simbolizar os louvados.

Por fim Paulo Cardoso louvou o cidadão riomaiorense Filipe Santana Dias, Presidente da Câmara Municipal de Rio Maior, “pelo seu grande exemplo pois demonstrou com a sua atitude a importância e valor que tem na sociedade aquele que é o primeiro agente de proteção civil, refiro a todo o comum cidadão, sendo em cada um de nós que começa a proteção civil, reforçando também as suas características humanas, a determinação, o forte espirito de missão e altruísmo, que demonstrou nesta operação de socorro”.

Seguiu-se a intervenção do Presidente da Direção da AHBVRM, António Quevedo, que começou por lembrar que “a realidade vivida durante grande parte do ano de 2020, não permitiu a celebração condigna do nosso 128.º aniversário, nomeadamente a homenagem daqueles que se distinguiram na dedicação e empenho que voluntariamente, consagram à nossa causa. Hoje a celebração 129º aniversário, servirá também, para de forma condigna repararmos essa injustiça e homenagearmos alguns dos homens e mulheres, que ao longo destes anos, voluntariamente, têm dado o seu melhor, com entrega e dedicação a uma causa que nos é tão querida: Os Bombeiros”.

António Quevedo salientou também que “grande parte do que temos hoje só foi possível graças ao empenho de muitas pessoas que connosco compartilham o sentimento de que só juntos, será possível conseguir mais e melhor, em prol de uma comunidade nem sempre atenta às nossas necessidades”.

O Presidente terminou a sua intervenção deixando. Em nome da direção, uma palavra de apreço aos colaboradores e bombeiros: “É claro o nosso reconhecimento pela dedicação, abnegação, empenho, profissionalismo e espírito de sacrifício demonstrado perante as adversidades das missões solicitadas. Vocês são, efetivamente, o verdadeiro pilar desta Instituição, são uma componente fundamental da estrutura de Proteção Civil e a vossa ação a nível local, regional e nacional deve ser devidamente agradecida e felicitada”, concluiu António Quevedo.

Após o discurso do Presidente da Direção da AHBVRM, o Maestro da Fanfarra Sargento Cristiano Pestana chamou ao palco os elementos que mais se distinguiram nos anos 2019 e 2020 para a entrega dos prémios de assiduidade, trompetes do ano e percussionistas do ano.

Seguiram-se as intervenções do representante da Liga dos Bombeiros Portugueses, Comandante Adelino Gomes, e do Comandante Distrital de Santarém da ANEPC, David Lobato.

Já na reta final desta cerimónia procedeu-se à atribuição dos prémios Estagiário de Mérito e Bombeiro de Mérito dos anos 2019 e 2020 – Comandante do Quadro de Honra Dr. Eduardo do Rosário Agostinho, tendo o prémio de Estagiário de Mérito 2019 sido conquistado por Carolina Duarte e o de 2020 por Andreia Mota, e o Bombeiro de Mérito 2019 por Tânia Figueiredo e o de 2020 por Sérgio Matias, tendo os prémios sido entregues pelo próprio Dr. Eduardo Agostinho.

A sessão solene encerrou com a intervenção do Presidente da Câmara Municipal, o qual começou por referir: “Como me parece óbvio, toda a instituição que sobreviva a 129 anos de história tem de ter obviamente raízes fortes, tem de ser resiliente, conseguindo atrair para as suas fileiras, pessoas com elevado espírito de missão, que consigam garantir a continuidade desta casa, defendendo-a e projetando-a na excelência”.

Filipe Santana Dias disse considerar “que os dias de festa, devem ser também dias de reflexão, e é precisamente isto que pretendia fazer convosco”, salientando que “nos dias que atravessamos, sentimos todos que virámos os bombeiros ao contrário, explico porque o digo. No passado, do que me lembro e sobretudo do que vou ouvindo dos mais velhos, verificava-se a ausência de equipamentos, viaturas e formação. Estes eram porventura os principais desafios de um corpo de bombeiros, que era, no entanto, repleto de homens, cuja vontade de servir a sua comunidade ultrapassava em muito as carências dos bens materiais e equipamentos. Ontem como hoje, aqueles que abraçam a exigente missão de ser bombeiro, entregam-se de corpo e alma, de forma abnegada a um serviço comunitário que em retorno lhes garante uma mão cheia de nada. E portanto hoje, ser bombeiro é uma decisão muito difícil de tomar como acertada”.

De seguida o edil riomaiorense apontou algumas falhas ao Governo relativamente à legislação do voluntariado, salientando que lhe causa alguma “irritação” saber que “garantir a defesa de pessoas e bens, uma das mais importantes tarefas da responsabilidade do Estado Português é pelos vistos relegada para um plano secundário e cuja execução, ao contrário de outras mais valorizadas, pode perfeitamente ser realizada por voluntários”.

“Eu, os riomaiorenses, os portugueses podemos confiar naqueles que com imenso sacrifício pessoal continuam a manter viva esta chama de ser bombeiro, esta saudável loucura de viver para os outros! Podemos todos dormir descansados, porque os Bombeiros de Portugal estão na nossa vigia! A todos os bombeiros, muito obrigado”, agradeceu o Presidente da Câmara Municipal de Rio Maior, que questionou qual o incentivo que qualquer homem ou mulher pode ter para se alistar numa recruta de bombeiros. “Infelizmente, parece-me que pouco ou nenhum”.

Prosseguindo, Filipe Santana Dias disse que “há relativamente pouco tempo, este estado, que durante anos a fio maltratou os Bombeiros de Portugal, tomou finalmente a decisão de profissionalizar o combate a incêndios. E como é que o fez? …. Bem, ao invés de garantir condições para que aqueles que há séculos cumprem com rigor, esta missão de combater incêndios florestais o pudessem continuar a fazer, aproveitando o seu saber acumulado durante anos e anos de trabalho árduo, resolveu então entregar esta função profissionalizada à Guarda Nacional Republicana”, salientando que “nada me move obviamente contra a Guarda Nacional Republicana, instituição da qual sou grande admirador e apoiante todos os dias nas minhas funções, mas esta escolha meus amigos, esta escolha conseguiu o pior de dois mundos. Conseguiu desaproveitar a oportunidade de reconhecer o trabalho dos Bombeiros de Portugal, desperdiçando também o seu secular conhecimento, conseguindo ainda depauperar os postos territoriais desta força de segurança, abrindo concurso para GIPS, com melhores oportunidades de carreira para os seus militares. Quando dizia que conseguimos o pior de dois mundos, se calhar não me enganava muito… O Combate a incêndios obvia e necessariamente com menos know how; e menos efetivo nos postos territoriais da GNR deste país, incrementando a sensação de insegurança nos cidadãos, são pelo menos dois efeitos nefastos das más escolhas políticas efetuadas. Meus amigos e minhas amigas, não somos melhores que ninguém, mas acredito que era difícil fazer pior”, realçou o Presidente da Autarquia.

Já na ponta final Santana Dias referiu que “no município de Rio Maior, temos a plena certeza de que tudo aquilo que fazemos pelos nossos bombeiros nunca será correspondente com a importância que estes têm para a população. Ainda assim, temos feito ao longo dos anos um esforço conjunto para que as condições oferecidas aos nossos bombeiros possam ser convidativas e reconhecedoras do seu esforço”.

O Presidente do Município terminou a sua intervenção dirigindo-se aos bombeiros: “Ser-vos-ei sempre agradecido por desde o primeiro dia em que iniciei o meu serviço público me permitirem sentir um de vós, sentindo-me sempre no nosso quartel como se em minha casa estivesse! Caros Bombeiros, será muito difícil a alguém poder ser justo convosco, poder recompensar toda a vossa entrega e abnegação”, referiu Santana Dias, que concluiu dizendo: “Pois bem, caras amigas e caros amigos bombeiros, da minha parte, contarão sempre com um grito na vossa defesa, com uma voz pelo vosso bem-estar… porque, não me canso de o dizer… Se não vos podemos ser justos, ao menos que vos sejamos gratos”.


PUB.


268 visualizações0 comentário

press to zoom

press to zoom

press to zoom
1/8

press to zoom

press to zoom

press to zoom
1/8

press to zoom

press to zoom

press to zoom
1/5

press to zoom

press to zoom
Lino Martins - site
Lino Martins - site

press to zoom
1/9

press to zoom

press to zoom

press to zoom
1/7

onde comer

press to zoom

press to zoom

press to zoom
1/12
telefonesuteis.jpg
Abertura Piscinas.jpg
bannered.png
Gina Morais.png
RIOGRAFICA.jpg