top of page

Periodicidade: Diária

2/22/2024

  • comercioenoticias

BENEDITENSE INÊS SILVA LANÇOU LIVRO SOBRE A EN2



Por João Maurício


Sobre Inês Silva sei bem pouco. Foi aluna da antiga Escola Preparatória da Benedita, quando eu lá trabalhei – numa segunda passagem – no início dos anos oitenta do século passado. Foi professora na Escola Superior de Educação de Santarém e é vereadora da Câmara de Alcobaça. Escreve muito bem, realidade que valorizo.

Em 2008, publicou “A Casa das Heras”, um livro cheio de ritmo, rico no seu conteúdo e, claro, é um livro que se lê com sofreguidão.

A autora acaba, agora, de lançar a obra “Daqui, Deste Lugar – Crónica de uma Viagem”. A narrativa resulta do percurso feito pela narradora entre Chaves e Faro, pele mítica Estrada Nacional nº 2. Estamos perante uma prosa muito bem elaborada sobre um tema que me diz muito. Tenho familiares que vivem muito próximos, junto à EN2, algures no concelho de Abrantes. Por isso, passo lá muitas vezes. O livro mostra-nos uma estrada com “cheiros, cores, montes e vales”. Estamos perante uma reflexão sobre o Portugal profundo.

Este trabalho é muito mais do que uma simples crónica de viagens. É uma fotografia sobre o interior do país.

Criada em 1945, a estrada “rasga” Portugal de Norte a Sul, e passa por concelhos tão diferentes como Chaves, Lamego, Mortágua, Lousã, Abrantes, Coruche, Alcácer do Sal, Loulé e Faro, só para citar alguns.

Atravessa 11 rios e percorre 11 serras. Segundo alguns estudiosos da matéria, a construção da EN2 foi um falhanço do Estado Novo, porque a mesma passou longe dos principais centros urbanos do interior. Parte do seu traçado foi, mais tarde, desclassificada, passando a estradas regionais e, até, municipais. Apenas 180 kms foram mantidos como estrada nacional. Só o troço entre Almodôvar e São Brás de Alportel foi renovado e classificado como Estrada Património.



Em 2016, foi criada a Associação de Municípios da Rota da Estrada Nacional 2 (33 municípios) que tem como objetivo dinamizar o turismo ao longo do itinerário. Viajar na EN2 é, de certo modo, regressar ao passado. No fundo, um tempo em que as autoestradas, as vias rápidas, os itinerários

completares e principais eram uma miragem. Era o tempo da Junta Autónoma das Estradas, dos cantoneiros, dos polícias sinaleiros.

A estrada EN2 é a via mais extensa de Portugal e a única na Europa que atravessa um país em toda a sua longitude. No mundo, há apenas mais duas do mesmo tipo: uma nos Estados Unidos e outra na Argentina.

A autora aproveita a viagem e fala, também, da nossa região, nomeadamente, do IC2, ex EN1.

Inês Silva tem uma escrita requintada, que não é fácil de digerir.

Do seu livro em questão, escolhi as páginas da 35 à 40, onde se refere à bela Chaves. E, faço-o, porque passei grandes temporadas na vizinha região do Barroso, por razões familiares. Afirma, a certa altura, que “Acordar em Chaves trouxe-me a sensação de entrar num lugar anterior a tudo o que conheço”. Refere-se, também, ao coração do distrito de Leiria como “um território de maravilhosos contrastes”. E depois, no fim da viagem, já em Faro, onde “ o marco branco tinha todos os vestígios da passagem dos anos”.

São quase cem páginas que fazem um retrato do interior do país, das suas paisagens, as histórias e as suas gentes.

Inês Silva como que brinca com as palavras, usando o lado sublime e requintado das mesmas, tornando-as misteriosas, recorrendo a adjetivações com mestria e brilho. E depois, partindo do presente, mostra-nos quadros da infância que o tempo não apagou. A sua prosa é, ainda, uma mescla de dados históricos, relatos do dia a dia, referência a escritores, a detalhes banais, como as letras pintadas no carro dos bombeiros de Castro Daire (pág. 53).

Um livro rico, por tudo isto!



255 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

onde comer

telefonesuteis.jpg
Gina Morais.png
RIOGRAFICA.jpg
bannered.png
Banner Riomagic.jpg
bottom of page