• comercioenoticias

ÓBIDOS: QUATRO IDENTIFICADOS POR APANHA DE PINHAS


Quatro indivíduos do sexo masculino, com idades compreendidas entre os 17 e os 48 anos, foram identificados, no passado dia 13 de novembro, por militares da GNR do Núcleo de Proteção Ambiental (NPA) de Caldas da Rainha, pelo crime de furto de pinhas de pinheiro-manso, na localidade de Carregal, no concelho de Óbidos.

No seguimento de uma denúncia de que estaria a ocorrer um furto de pinhas, espécie Pinus pinea, num terreno florestal privado, os militares deslocaram-se ao local e encetaram diligências policiais que permitiram identificar os suspeitos no local.

Desta ação resultou na elaboração de quatro autos de contraordenação por apanha pinhas fora do período para esse efeito, puníveis com uma coima até 3 500 euros, e na apreensão de 21 quilos de pinhas de pinheiro-manso e três varas com gancho metálico usadas na apanha das pinhas.

Os factos foram remetidos ao Tribunal Judicial de Caldas da Rainha.

Esta ação contou com o reforço do Posto Territorial de Óbidos.


PUB.


A GNR informa que o pinheiro-manso (Pinus pinea) é uma espécie florestal com um crescente interesse económico, cuja importância do comércio externo de pinha e de pinhão tem contribuído para a promoção de importantes dinâmicas económicas à escala regional, uma vez que o pinhão produzido em Portugal é de todos o mais valorizado pelas suas características nutricionais. No entanto, a colheita de pinhas de pinheiro-manso é proibida entre 1 de abril e 1 de dezembro e, ainda que esteja caída no chão, a sua apanha está interditada por se encontrar em época de defeso, salvaguardando assim o crescimento e desenvolvimento da pinha e do pinhão e evitando a colheita da semente com deficiente faculdade germinativa e mal amadurecida.


PUB.


107 visualizações

1/9

1/9

1/8

1/6

onde comer

Periodicidade: Diária

11/23/2020

coronavirus.jpg
bannered.png

©2020 por Comércio & Notícias