Periodicidade: Diária

7/10/2020

1/11

1/9

1/8
20935008_1505723692807716_92107146596709

1/7

1/10
hqdefault.jpg

onde comer

bannered.png

As Praias da Nazaré e do Salgado (freguesia de Famalicão) hastearam, hoje, 10 de julho, as bandeiras que certificam a sua qualidade ambiental e de acessibilidade, tendo Famalicão conquistado, pela primeira vez, o diploma de “Praia Mais Acessível”.

A oferta de praia no concelho apresenta-se na presente época balnear com os mais prestigiados galardões a nível nacional e europeu: Bandeira Azul; Praia de Ouro; Praia Acessível; Quality Coast; ISO 14001:2015.

“O Município tem vindo a realizar diversos investimentos na comodidade e qualidade da oferta balnear do concelho. Também em resultado de tudo isso hasteamos, hoje, pela primeira vez, desde que os galardões foram criados, duas bandeiras de praia acessível a todos”, diz o vereador da Câmara da Nazaré, Orlando Rodrigues.

A Autarquia realizou inúmeros investimentos no aumento do conforto e da qualidade da oferta, instalando rampas no areal da Praia urbana; sinalizadores para peões com deficiência visual no início das rampas e das passadeiras; instalando estrados em plástico reciclado que substituíram os antigos em madeira (num total de 629, são mais seguros para o utente e mais amigos do ambiente); implementando o código de cores para daltónicos "ColorAdd" em bandeiras indicadoras do estado do mar e mais contentores para recolha seletiva de resíduos.

“A cerimónia de hoje, acontece anualmente, é, para nós, marcante, pois traduz o esforço de investimento por parte da Câmara num importante ativo da economia, que, de ano para ano, acolhe mais pessoas, atraídas pela oferta de descanso, tradição, sol e praia e receção, nos seus momentos de lazer e férias. Estes certificados de qualidade, que a partir de hoje estão visíveis aos olhos de todos quantos nos visitam, são o reflexo de uma enorme preocupação da gestão autárquica de investir na qualidade, não só da oferta, mas também de bem-estar para todos, pois visam tornar a nossa costa inclusiva, disponível para mais pessoas, tal e qual temos projetado o nosso território. Toda esta qualificação contribui para uma imagem promocional forte e ainda mais atrativa à vinda de turismo e ao investimento de privados, e, no fim, a um maior retorno para a população e Região”.


PUB.


Este ano, devido ao atual contexto da pandemia, e como medidas preventivas, alguns dos equipamentos não foram instalados, como os lava-pés. Em contrapartida, foram tomadas medidas adicionais para informar utilizadores de normas essenciais ao melhor usufruto da oferta, mas em segurança.

“Em ano de pandemia, houve necessidade de dar resposta aos condicionalismos formais necessários. De entre as várias medidas adotadas destacam-se a criação de corredores de circulação distintos para a entrada e saída das praias e limitação de acesso ao areal; reforço da higienização e limpeza dos equipamentos de apoio à prática balnear, com o reforço da recolha de resíduos; o aumento da informação disponibilizada ao público com sinalética informativa no pavimento, visual e sonora, no areal e pela marginal da Nazaré, com vista a sensibilizar os cidadãos para os cuidados, as regras e as rotas de circulação”, explica o vereador.


PUB.



A Unidade Nacional de Trânsito (UNT), através do Destacamento de Ação de Conjunto (DAC) de Lisboa, ontem, dia 9 de julho, deteve dois homens, de 56 e 38 anos, por falsificação de notação técnica, na Autoestrada do Norte (A1), na área de serviço de Aveiras.

No decorrer de uma ação de fiscalização rodoviária, os militares abordaram os veículos onde detetaram que os condutores faziam uso de cartões de condutores alheios fazendo com que o aparelho de controlo de tacógrafo gerasse, sem qualquer outra intervenção posterior, uma notação técnica de conteúdo falso, pois a mesma atestava que os veículos eram conduzido por terceiros e não pelos arguidos, obtendo assim benefício, traduzido na possibilidade de poder conduzir mais horas do que as permitidas por lei.




Segundo a GNR “estas ações por parte dos arguidos, levam a uma condução contínua, o que contraria a prática de uma condução defensiva, atentando gravemente contra a segurança rodoviária, sendo o cansaço, em concreto a sonolência, uma das causas associadas a acidentes de viação”.

Os cartões utilizados foram apreendidos, tendo os motoristas sido constituídos arguidos e os factos remetidos ao Tribunal Judicial da Comarca de Lisboa Norte.


PUB.


  • comercioenoticias

A Unidade de Controlo Costeiro (UCC), através do Subdestacamento de Controlo Costeiro de Peniche, ontem, dia 9 de julho, na Atalaia - Lourinhã, encerrou uma exploração de aquicultura ilegal por falta de licenciamento.

Durante uma ação de fiscalização ao estabelecimento, os militares da GNR detetaram vários tanques que se destinavam à manutenção temporária de bivalves e crustáceos, até à sua entrada nos circuitos comerciais e de consumo, sem que tivessem o Título de Atividade Aquícola (TAA) exigido por lei para exercer a atividade.

Durante as diligências policiais foram apreendidos 206 quilos de sapateira; 127 quilos de amêijoa boa; 87 quilos de lavagante; 61 quilos de santola; 37 quilos de lagosta; 20 quilos de amêijoa japonesa; 20 quilos de ostras e 12 quilos de canilha.

O valor pecuniário estimado dos 570 quilos das espécies apreendidas é de 11.450 euros e os bivalves, por não se encontrarem em condições higiossanitárias próprias para consumo, tiveram como destino a sua destruição.


PUB.


Por sua vez, após inspeção veterinária, constatou-se que os crustáceos se encontravam em boas condições, tendo como destino a sua introdução no consumo.

A Guarda Nacional Republicana alerta que a introdução dos bivalves no consumo, sem que os mesmos sejam sujeitos a depuração ou ao controlo higiossanitário, pode colocar em causa a saúde pública, devido à possível contaminação com toxinas.

Desta ação resultou a identificação de dois homens de 31 e 53 anos, a elaboração de três autos de contraordenação, sendo que a falta de TAA constitui uma contraordenação muito grave, a que corresponde uma coima máxima de 600 euros para uma pessoa coletiva. As instalações ilegais foram também encerradas.


PUB.


©2020 por Comércio & Notícias